terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Boa noite

Sorrisos melódicos dançavam por entre as minhas memórias enquanto eu me alinhava com as pernas cruzadas no sofá da sala. Ainda era difícil acreditar que tantas palavras pronunciadas como sussurros e olhares intensos haviam sido feitos para mim. Eu me sentia, dentre os seres, o mais abençoado.
Na TV escura que se apoiava na estante de marfim, se passavam diálogos inaudíveis, já que prestar atenção poderia ser uma tarefa difícil. Tinha uma nuvem de mel desenhando o rosto dos meus sonhos no ar. Os pensamentos voavam pra longe e com leveza aterrissavam no azul topázio dos olhos mais bonitos que eu já havia visto na vida - e eles eram meus. Na tentativa de me arrastar para a realidade, me foquei na pergunta vaga que saía da TV:

- Dentre todas as pessoas do mundo, nesse exato momento, de quem você realmente gostaria de ouvir um "boa noite"?

Num esforço inútil passei por entre as rodas de amigos buscando nomes, sem resultados. Apenas uma voz me importava agora. E o nome do dono era um mistério para mim. Eu estava irremediavelmente apaixonada, como nunca pensei que alguém poderia estar um dia. Adormeci e logo os sussurros se fizeram reais outra vez:

- Boa noite.

4 comentários:

Arlequim disse...

Tô precisando de sussurros reais, acho. Talvez eu esteja precisando de paixão..

ótimo texto, querida.
Beijos

Neo disse...

"...já que prestar atenção poderia ser uma tarefa difícil quando se tinha uma nuvem de mel gritante desenhando o rosto dos meus sonhos no ar."

Fico me perguntando como você consegue escrever coisas assim...

Sensacional.

Beijo do Neo

Andréia disse...

essa frase tbm ficou na minha mente... pergunta interessante

bjux e ate+

Neo disse...

Só de passagem

Beijo