sábado, 18 de outubro de 2008

Aquela velha escuridão I



Quando senti medo do escuro pela primeira vez, eu era muito pequena. Me lembro da minha mãe descendo as escadas e assoprando as velas. Eu, vendo aqueles movimentos por cima das cobertas, permanecia estática e calada.
Era estranho: o terror tinha acabado de começar e eu simplesmente me apavorava em silêncio.
Nunca gostei de me abrir pra ninguém. Seja qual fosse o problema, ele era meu e levantar para acender as velas não me livraria da escuridão dos corredores. Ela ainda estaria lá.

Cresci com o medo rindo do meu silêncio e me impedindo de viver como queria. Meus sentimentos sempre transbordavam nas noites frias e eu era covarde demais para chorar. Então me levantava, colocava o casaco, acendia todas as luzes da casa e escrevia.
Escrevia sobre o que sentia, sobre o medo, sobre a fé. Me confessava e esperava a luz do amanhecer invadir os meus olhos cansados.

(continua)...

17 comentários:

Thais Michele Rosan disse...

Nossa!!
É realmente há coisas, (bom em nós duas pelas nossas conversas) que não da para se abrir com ninguém.
Medos que são somente nossos.

:)
Ta lindo!
quero ver a continuação ^^
beijo

Jéssica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica disse...

PS: apesar de todos os meus contos, estórias, e textos terem muito de mim... nem todos são sobre mim.
esse por exemplo, não é!

Gaby Soncini disse...

Adorei o texto guria.

Você arrasaaa !!!

Aguardarei com ansiedade a continuação.

Magnum Borini disse...

Olá! o blog ta bem legal! só li esse texto! vou ler os outros! e o louco pra continuação!

abração e ate+!!!!

gui makoto disse...

sem medos, barreiras tudo seria tão fácil, tudo seria tão apático que não teria graça de viver..


beijo

ariadne disse...

respondendo...

a própria menina cortava os braços
porque isso diminuia suas dores
é um ato de covardia
mas que precisa de muita coragem
porque não é fácil rasgar a própria pele

adorei seu texto, mais uma vez
e achei algo parecido com o meu:
o medo

boa semana, beijo

Arlequim disse...

Existem coisas que não conseguimos expor, por mais que tentemos, não da. Simplesmente por não conseguir.
É fato e acontece nas melhores familias.:)
Fico feliz que tenha gostado do selo, você de fato o merece.
Beijão

Gabriele Fidalgo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriele Fidalgo disse...

A identificação é recíproca! haha Adorei as imagens e as cores do seu blog, sem contar, é claro, das tuas palavras.

Quando eu era pequena tinha bastante medo do escuro. Mas também mantinha isso em silêncio. Hoje eu durmo com todas as luzes apagadas.

voltarei mais vezes.
Super beijos. :)

Cássia Barbosa disse...

Nossa... Perfeito seu texto.
Me identifiquei muito.
Adorei...
parabéns!

Michelle Dangeli disse...

Esperar o dia amanhecer pra fugir da escuridão...Conheço bem essa história...

Neo disse...

Tudo de bom novamente...
Vou ficar a espera da continuação..


Beijo



Neo

Another Angel Down disse...

Volte sempre ;)

Beijos !

Magnum Borini disse...

olá! tem novidades em meu blog!

e poe novidades ae!!!

adoro seus textos!

abração e ate+!

Neo disse...

Tem meme pra vc no TOS...


Beijo


Neo

Gabriele Fidalgo disse...

cadê a continuação? haha